Santuário do Senhor Bom Jesus Campo Largo

Ser mãe é dizer sim à maternidade recheada de amor e carinho

É aceitar a divina graça da geração seja através do próprio ventre materno ou pelo tão suave toque do coração.

Eliane Muiniki

Aos poucos se aproxima o dia mais cheiroso, delicado e aconchegante que podemos sentir. Comemoramos no dia 13 de maio o Dia das Mães, uma data mais do que especial, pois dedicamos o nosso olhar de gratidão a quem nos deu a vida, trazendo-nos ao mundo.

Sejam mães de poucos ou de muitos filhos, gerados ou criados. Apesar das dificuldades, não medem esforços para dar o melhor sempre, colocando em cada gesto, em cada olhar doses e mais doses de amor.

Cristiane Rosa e sua filha Kethlin

Ser mãe é um compromisso para toda a vida; é um elo que nunca termina; um verdadeiro ciclo gracioso. É ainda enfrentar os desafios por seus filhos e manter-se firme em qualquer decisão tomada, como é caso da Cristiane Rosa de 40 anos. Mesmo podendo decidir pela gestação optou pela adoção: “Sempre tive o sonho de ser mãe. Então eu e meu marido pensamos em ter filhos, tanto biológicos como adotivos ao mesmo tempo, pois para nós não havia distinção. No meu caso, desde muito nova sentia orgulho de ter uma prima adotiva, isto me motivou a pensar muito no assunto; entramos com os trâmites para o processo. Nosso cadastro foi preenchido de tal maneira que nos possibilitava mais chances, pois para nós poderiam ser irmãos, negros, com HIV, entre outros”. E, seguindo os trâmites da lei, no ano de 2013 foram chamados na Vara da Infância para saber do interesse em uma menininha com 1 ano e 08 meses, “não pensamos na resposta, foi automático o nosso SIM, e ganhamos a Kethlin, hoje com 6 anos”.

Cristiane diz que não tiveram nenhuma rejeição na família por ter escolhido a adoção, apenas alguns casos de preconceito devido a pequenina ser portadora do vírus HIV, mas após explicações e convívio esse sentimento foi eliminado. Quanto à doença, não há limitações, somente se policiam com os medicamentos rotineiros.

Ela e seu esposo são voluntários em uma Casa Lar e sabem das consequências que a falta de um pai e uma mãe fazem na vida de uma criança, até por este motivo já estão novamente na fila de espera para dar a mais uma criança uma família cheia de carinho e amor. “Minha filha Ket é um presente de Deus, que nos traz alegria, nos faz evoluir, conhecer o verdadeiro amor. Um presente que Ele confiou aos nossos cuidados, para guiá-la e auxiliá-la neste mundo. Toda mãe deveria ganhar no seu dia a certeza de que seus filhos são ou serão muito felizes”.

Regiane Schatz e seu marido Erasmo com seus filhos Henrique e Hérico

Outra mãe apaixonada pelos seus filhos, é a Regiane S. W. Schatz, de 31 anos. Ela sempre sonhou em ter uma família, em viver a gravidez, amamentar, em estar presente nos primeiros passinhos dados. Ela é mãe de dois lindos e simpáticos meninos: o Henrique com 11 anos e o Hérico, dois anos mais novo. Devido a uma doença genética na família, ambos nasceram com hemofilia tipo A e a preocupação em como cuidar e ao mesmo tempo deixá-los viver foi um desafio: “Os sustos foram grandes em cada queda, cada sangramento, principalmente na fase que estavam aprendendo a andar”.

Com o mais novo foi um pouco mais tenso, porque a deficiência do FVIII era maior, o que aumentava os riscos de sangramentos, e no início “a cada batida, queda ou inchaço das articulações fazíamos compressa de gelo e corríamos pra Hemepar”. A atenção sempre foi primordial, explica “estamos atentos para que não se cortem, não se machuquem e não batam principalmente a cabeça, pois os sangramentos internos são tão graves ou piores que os externos”. Porém, com a ajuda e apoio da família e dos especialistas foi superada cada dificuldade e sempre “agradecemos a Deus, porque mesmo com todos os cuidados eles levam uma vida normal; o Henrique ama andar a cavalo, laçar e jogar bola e o Hérico adora andar de bicicleta, pular corda e brincar com os amigos”.

Sem dúvida ser mãe é um dom divino, como diz Regiane “a sua vida passa a girar em torno da vida de seus filhos, tudo o que faz ou deixa de fazer é por eles e para eles, garantindo uma infância feliz e um futuro de sucesso pessoal”. Como toda mãe, adora um mimo! “Toda mãe deveria ganhar um café da manhã na cama, por mais simples que seja, um beijo e um abraço acompanhados de um FELIZ DIA DAS MÃES e um pedido de perdão se necessário”. Eles são o meu tudo, não consigo imaginar a minha vida sem eles”, finaliza.