Santuário do Senhor Bom Jesus Campo Largo

Formação Litúrgica

No último dia 04/07 a Pastoral da Liturgia do Santuário do Senhor Bom Jesus promoveu o primeiro encontro dos cinco que serão realizados no decorrer de 2018 para a formação e Instituição do Ministério da Liturgia no mês de novembro.

O tema “Liturgia e Eucaristia” foi trabalhado pelo reitor do Santuário, Padre Edilson Lima que iniciou apresentando alguns subsídios para estudo e formação individual, indispensáveis para o cristão leigo.

Dentre eles, sugere-se a leitura e aprofundamento da temática com os livros “Liturgia em Mutirão II – subsídios para a formação”, da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, de 2009; “Liturgia: História, Celebração, Teologia, Espiritualidade”, de Matias Augé, além do Catecismo da Igreja Católica e das Catequeses escritas pelo Papa Francisco.

A liturgia está baseada na palavra de Deus e é a combinação de ritos na vida da Igreja. O momento central está na Consagração do Pão e do Vinho, em que se recorda a morte e ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo, portanto, a liturgia é a celebração do Ministério Pascal.

Ela se apresenta com os diversos sinais que ocorrem durante a celebração como um diálogo de catequização e manifestação de Jesus Cristo. Cada resposta, cada gesto, cada canto, cada leitura, a acolhida, a procissão de entrada, contribuem para que o Mistério Pascal deixe de ser apenas memória, mas passe a ser a presença de Cristo no aqui e agora.

Dessa forma, a missa e os espaços físicos não podem ser vistos como um “palco”, muito menos como um espaço de improviso. Não se pode deixar levar pelo que é bonito ou mais emotivo. É necessário preparação para evocar de modo real e profundo o que aconteceu no passado, tornando o Mistério Pascal presente, atual, que se renova a cada dia, pois cada celebração é um raio de Jesus Cristo a iluminar nossas vidas.

A liturgia deve ser apaixonante, como se estivéssemos fazendo tudo de novo, mas de maneira nova e única, uma vez que, com o Espírito Santo, tornamo-nos partícipes da vida eterna, na presença de Jesus ressuscitado.

De acordo com o Papa Francisco, quando vamos à missa é como se fôssemos ao calvário; a Eucarista é um momento maravilhoso e, portanto, devemos estar compenetrados naquilo que se vai celebrar, pois estamos ali com o Senhor.

Os ritos na celebração devem falar por si mesmos, pois todos os sacramentos são sinais do amor de Deus. Assim todas as pessoas envolvidas nas celebrações devem estar em sintonia, para formar um só corpo em Cristo.

Para tanto, os diversos ministérios devem desempenhar apenas as funções que lhes competem dentro da liturgia, inclusive a própria assembleia. E, para que não ocorram excessos ou erros graves é essencial seguir o que se propõe no “Missal” e no “Lecionário” disponível em cada comunidade.