Santuário do Senhor Bom Jesus Campo Largo

Indulgências: saiba tudo aqui

Por Guilherme Leite

Provavelmente você já ouviu o padre falar sobre que alguma coisa concede indulgência. Ou que durante a Idade Média a Igreja vendia indulgências. Ou talvez ainda, que fulano ofereceu uma indulgência pelos fieis defuntos. Mas afinal, o que são as indulgências?

As penas dos pecados

Quando cometemos um pecado grave, ele gera duas consequências em nós. A primeira é a privação da comunhão com Deus, que nos impede de alcançar o céu, é a chamada pena eterna. Não devemos nos desesperar, pois essa é a pena para o qual o sacramento da reconciliação oferece o perdão. A segunda é a pena temporal, que é um apego desordenado às coisas terrenas, em oposição às coisas celestes. Podemos comparar essa pena à uma cicatriz que fica, mesmo após curada uma ferida. É como se não fôssemos mais tão próximos de Deus depois do pecado como éramos antes.

O efeito das indulgências

Para nos purificar desse estado, dispomos de duas formas de repararmos esta pena temporal, uma após a nossa morte, no purgatório, e outra ainda nesta vida, que são as indulgências. As indulgências são obras de piedade que exigem do fiel (já perdoado da pena eterna daquele pecado pela confissão) um esforço e um exercício de fé que o reaproximam de Deus e o fazem retomar a amizade com Nosso Senhor perdida pelo pecado. Não é algo mágico, que perdoa instantaneamente essa pena, mas a fé e a dedicação necessárias para se realizar estas obras purificam o coração arrependido de forma que ele já não traz mais a marca daquele pecado.

Plenárias ou parciais

Como é de se esperar, existem obras maiores e menores, que nos curam destas marcas em diferentes graus. Essa é justamente a diferença entre as indulgências parciais e plenárias. Como os nomes sugerem, uma indulgência parcial apaga uma parte das penas devidas pelos pecados e uma plenária as apaga por completo.

É mesmo possível oferecer pelas almas do purgatório?

Sim, é possível. Acreditamos que nossas orações e obras por eles oferecidas podem reparar as penas dos fieis que se encontram no purgatório, justamente em estado de purificação delas. E é também salutar para a nossa alma esse santo exercício oferecido pelos que já se foram, bem como uma forma de amor pelos que partiram.

Mas enfim, como eu faço para ganhar as tais indulgências?

Para se lucrar uma indulgência plenária, é necessário confessar (é possível ganhar várias indulgências com uma só confissão, caso se mantenha em estado de graça), comungar, rezar pelo menos um Pai Nosso e uma Ave Maria pelas intenções do Santo Papa e realizar a obra indulgenciada, com a intenção de ganhar a indulgência ou de oferecê-la pelas almas. Nas indulgências que pedem a visita a uma igreja, é necessário rezar lá mais uma Pai Nosso e o Creio. As que se referem a dias específicos podem ser cumpridas desde o meio dia do dia anterior, até a meia noite do próprio dia, mas a confissão, a comunhão e a oração pelas intenções do Papa podem ser feitas alguns dias antes ou depois (embora seja recomendável que as duas últimas sejam feitas no mesmo dia).

Já as indulgências parciais são obtidas através de ações simples, mas que elevam nossa alma a Deus, como sofrer com paciência nossas dificuldades, agir com caridade junto aos irmãos, se privar de coisas de que gostamos como forma de penitência e as mais diversas orações.

Na imagem abaixo você pode conferir as obras que podemos realizar para ganhar as indulgências.

Infográfico indulgências

Neste link você confere todas as orações indulgenciadas

Esta é mais uma forma com que a Santa Igreja, mãe e mestra, cuida das almas dos seus fieis, administrando-lhes do tesouro confiado por Jesus Cristo um salutar remédio para aqueles que caíram nos laços do pecado possam realcançar a alegria da proximidade com o Senhor. Não hesitemos, pois, em recorrer a ele.