Santuário do Senhor Bom Jesus Campo Largo

Canto e música na liturgia

1. INTRODUÇÃO

“O Apóstolo aconselha os fiéis que se reúnem em assembleia para aguardar a vinda do Senhor, a cantarem juntos salmos, hinos e cânticos espirituais (cf. Cl 3, 16), pois o canto constitui um sinal de alegria do coração (cf. At 2, 46). Portanto, dê-se grande valor ao uso do canto na celebração da missa, tendo em vista a índole dos povos e as possibilidades de cada assembleia litúrgica” (IGMR 39-40).

O canto e a música na celebraçãolitúrgica é costume muito antigo. Conforme vimos acima, já São Paulo convidava à comunidade a cantar. Também testemunhos como o de Justino (sec. II) mostram que os cristãos, quando se reuniam, rezavam e cantavam. No século V já foi afirmado por Santo Agostinho: “Quem canta reza duas vezes”. Assim, vemos que o cantar litúrgico sempre esteve presente na vida da comunidade cristã e sempre foi parte integrante de seu culto a Deus.

“A música litúrgica é parte integrante e significativa da ação ritual. É urgente atentar para a qualidade de nosso cantar litúrgico, para a importância dos váriosministérioslitúrgico-musicais e, para a formação e capacitação de todos, especialmente das pessoas e equipes que os exercem.” (XVI Plano A.E. Arquidiocese de Curitiba).

Segundo o Catecismo da Igreja Católica: “O canto e a música desempenham sua função de sinais de maneira tanto mais significativa por ‘estarem intimamente ligados à ação litúrgica’, segundo três critérios principais:

  1. a beleza expressiva da oração,

  2. a participação unânime da assembléia nos momentos previstos

  3. o caráter solene da celebração.

Quanto mais uma obra musical se insere e se integra na ação litúrgica e em seus diversos ritos, aqui e agora e na celebração comunitária, tanto mais é adequada ao uso litúrgico.

Ao contrário, quanto mais uma obra musical se emancipa do texto, do contexto, das leis e ritos litúrgicos, muito embora se torne demonstração de arte e de cultura ou de saber humano, tanto mais é imprópria ao uso litúrgico”.

Assim, podemos perceber que o canto é extremamente importante na Celebração dos Santos Mistérios, de forma especial da Santa Missa e da Liturgia das Horas. A Igreja nunca deixou de afirmar, mas sempre salientou e o continua fazendo de que há uma maior nobreza e solenidade ao usar o canto da Liturgia, sendo a música sempre sua expressão profunda.

A primeira regra: é que os cantos da Santa Missa devem ser escolhidos segundo o Tempo Litúrgico, a tônica da Celebração e seu próprio lugar dentro dela.

A outra norma geral é que, há sempre necessidade de fidelidade às normas litúrgicas ao se escolher os cantos, especialmente ao não se substituir hinos litúrgicos por outros cânticos.

Uma terceira regra geral é que é um direito de todo cristão católico ter música de boa qualidade e idônea na celebração da Santa Missa.

2. O QUE SE CANTA?

2.1. Critérios básicos

Um elemento importantíssimo no cantar litúrgico é a escolha do repertório. Não estamos num show, numa apresentaçãoartística ou numa roda de amigos. Estamos celebrando o MISTÉRIO PASCAL DE CRISTO e nosso canto deve manifestar o que celebramos.

Alguns critériossãobásicos na escolha das músicas:

a) Letra: os textos sejam tirados da Sagrada Escritura ou inspirado nela e nas fontes litúrgicas. Sejam poéticos e refiram-se ao tempo e ao momento litúrgico que se celebra. Evitem-se: moralismos, ditos populares.

b) Música: seja acessível à grande maioria da assembleia, mas que seja bela e inspiradora. Evitem-se melodias de filmes, novelas, músicas populares e seculares.

c) Levem-se em conta: tempo litúrgico, cultura do povo, dimensãocomunitária da assembleia.

2.2. Canto religioso e canto litúrgico

O que se precisa ter claro é que nem todo canto religioso (e que pode, por isso mesmo, ser usado na oração pessoal ou comunitária, em momentos de retiro, etc). é adequado para a liturgia. Há cantos belíssimos que NUNCA poderão ser usados, corretamente, numa celebração litúrgica.

É necessário que se entenda que para ser considerada música litúrgica, não basta que a música tenha uma letra bonita (até emocionante) e uma melodia agradável.

“A música sacra será tanto mais santa quanto mais intimamente estiver unida à ação litúrgica, quer como expressão mais suave da oração, quer favorecendo a unanimidade, quer, enfim, dando maior solenidade aos ritos sagrados.” (SC 112).

3. QUEM CANTA?

É preciso ter em conta que antes de qualquer pessoa exercer um ministériolitúrgico, é participante da assembleia celebrante. Por isso, músicos e cantores devem lembrar-se que devem participar da missa e não meramente exercer uma função.

Por isso, é essencial que, com toda assembleia, responsam a missa, ouçam em silêncio as leituras, tenham postura condizente com o mistério do qual participam e no qual exercem um serviço.

4. O CANTO NA CELEBRAÇÃO DA SANTA MISSA

A celebração do Mistério Pascal de Cristo, na Sagrada Liturgia da Missa é o centro de toda a vida da Igreja. Como dito, também o cantar na celebraçãolitúrgica deve auxiliar na promoção de uma assembleia que participe ativa, consciente e frutuosamente da liturgia.

É preciso que se diferenciem as músicas que se cantam na liturgia:

a) Algumas músicas constituem o próprio rito, isto é, são o rito. O cantar é a únicaação do presidente e da assembleia e, por isso mesmo, constitui um rito próprio. É o caso do Sinal da Cruz e saudação, Kyrie Eleison, do Glória, Salmo Responsorial, Orações, Prefácio, Santo, Aclamações e Cordeiro de Deus.

b) Outras músicas acompanham o rito, isto é, durante algum rito litúrgico a comunidade entoa um canto enquanto o presidente realiza outra ação. É o caso do Canto de Entrada, Apresentação das Oferendas, Canto de Comunhão e Canto Final.

Em quase toda a liturgia há a possibilidade de se introduzir o canto. Por isso, a melhor maneira para que se entenda o canto na celebração da missa é a análise cada momento da celebração em que a música sacra tem lugar.

4.1 Ritos Iniciais

– Canto de Entrada

É o canto que, comumente, chama-se Canto de Entrada, já que ele acompanha a Procissão de Entrada do presidente e da Equipe de celebração. A principal finalidade deste canto é congregar, isto é, unir a assembleia, introduzindo-a no mistério celebrado. Para cumprir bem esta missão, deve estar em sintonia com o tempo do ano litúrgico, com o tipo de celebração, com a composição da assembleia. A procissão de Entrada acompanhada do canto é, propriamente, o primeiro ato litúrgico da Santa Missa

– Saudação Inicial

O presidente pode cantar o sinal da cruz e a saudação inicial, desde que sempre prevaleça o aspecto dialógico da celebração e a forma trinitária revelada.

– Ato Penitencial e Kyrie Eleison

Momento de exaltar a misericórdia divina. O canto deve inspirar-se no Kyrie Eleison ou no Confesso a Deus.

– Há também a possibilidade da substituição do Ato Penitencial pela Aspersão. Neste caso, o canto de um salmo ou canto batismal será o mais adequado.

– Hino de Louvor

O Glórianão é um hino trinitário, mas cristológico. Por isso, deve-se atentar para a escolha do texto a ser usado. Use-se a letra oficial do Missal Romano ou uma letra que esteja baseada nesta, aprovada pela Conferência Episcopal.

– Oração do Dia

O presidente pode cantar a oração do dia. No final, todos aclamam cantando o Amém.

4.2. Liturgia da Palavra

– Leituras

As leituras podem ser cantadas, se houver um leitor com habilidade para isso, prezando-se pela compreensão das mesmas por toda assembleia. Normalmente são lidas. É possível que nas solenidades maiores a aclamação final “Palavra do Senhor” seja feita em canto.

– Salmo Responsorial

O Salmo Responsorial deve ser, por sua natureza, cantado. Se não é possível cantar todo o salmo cante-se ao menos o refrão. Atente-se em conservar a letra do Lecionário. Pode-se, no entanto, utilizar uma versão do Salmo Responsorial dos HináriosLitúrgicos, com tradução diferenciada. Pode- se cantar de forma direta ou indireta.

O Salmo é parte integrante da Liturgia da Palavra. Por isso, não pode ser omitido e nem substituído por outro canto “de meditação”. Aliás, vale destacar que Salmo é Palavra de Deus, é uma “leitura cantada”. Deve-se, portanto, evitar os convites: “Meditemos a primeira leitura com o Salmo”.

– Aclamação ao Evangelho

O Evangelho é o momento central de toda a Liturgia da Palavra. Por isso, é precedido de um canto de aclamação. Durante este canto, aclama-se a Palavra de Deus. Durante este canto, o presidente da celebração (ou um diácono ou um concelebrante) dirige-se ao ambão.

O canto ritual deste momento é o ALELUIA, seguido de uma antífona referente ao Evangelho que será proclamado. (Durante a quaresma o canto o Aleluia é substituído por outra aclamaçãocristológica)

– Profissão de Fé

A profissão de fé pode ser cantada, mantendo-se a letra do Credo Apostólico ou do Credo Niceno-constantinopolitamo. Em nosso país dificilmente vemos esta prática, muito comum nas celebrações do Sumo Pontífice e nas Liturgias das Igrejas Orientais.

– Oração dos fiéis.

A resposta da oração dos fiéis pode ser cantada. Mantenha-se uma resposta fácil para que toda assembleia participe.

4.3. Liturgia Eucarística

– Apresentação das Oferendas

Este momento é composto pela procissão e pela apresentação das oferendas. Quanto ao canto, pode ser realizado de maneiras diversas, a combinar com o presidente da celebração:

a) O canto estender-se durante toda a procissão, preparação do altar e apresentação das oferendas. Neste caso, o sacerdote realizará a ação ritual em voz baixa.

b) O canto ser entoado somente durante a procissão das oferendas e a preparação do altar. Neste caso, o sacerdote proferiria as orações de apresentação das oferendas em voz alta e a assembleia aclamaria com o “Bendito seja Deus para sempre”.

c) O canto ser entoado somente durante a procissão das oferendas e a preparação do altar e o sacerdote cantar o texto da apresentação das oferendas e a assembleia responder em canto: “Bendito seja Deus para sempre”.

Nos casos em que a apresentação dos dons é feita em voz alta, sempre pode-se continuar cantando após a apresentação do vinho, até o final do Lavabo. O canto da apresentação das oferendas deve favorecer o espírito de alegria, partilha e união, gerando nos fiéisespírito de generosidade e atenção ao mistério que se inicia.

– Cantos presidenciais

O sacerdote pode cantar os textos que compõe a liturgia eucarística quase em sua totalidade. Neste caso, as respostas do povo seriam, da mesma forma, cantadas. É bom que aquilo que o sacerdote canta, seja respondido em canto.

– Santo

É um dos pontos altos da Liturgia Eucarística. É conveniente que seja cantado, ainda que haja a possibilidade de ser rezado. A letra deve obedecer à do Missal Romano. Permitem-se adaptações, desde que não alterem demasiadamente o texto.

– Aclamações da Oração Eucarística

As aclamações da Oração Eucarística podem ser cantadas pela assembleia. Neste caso, obviamente, conservem-se os textos oficiais das anáforas.

– O Amém da Doxologia Final

Mesmo que digamos o “Amém” em outros momentos da missa, este momento é de um significado particular. Significa a adesão plena ao sacrifício de Cristo, oferecido ao Pai no Espírito Santo. É conveniente que seja cantado com frequência.

– O Pai nosso

A oração do Senhor, que é presente em todas as celebrações, pode ser cantada. Mas atente-se que a letra mantenha-se inalterada e que toda a assembleia cante.

– Abraço da Paz

Após a oração “Senhor Jesus Cristo…” o sacerdote pode convidar o povo para cumprimentar-se com o sinal da paz. É comum cantar-se, neste momento, um canto relacionado com paz, com cumprimento.

No entanto, tal costume deve ser evitado, já que a Instrução Redemptionis Sacramentum(2004) orienta:

“Convém que cada um dê a paz, sobriamente, só aos mais próximos a si. O sacerdote pode dar a paz aos ministros, permanecendo sempre dentro do presbitério, para que não perturbe a celebração. Faça-se do mesmo modo se, por uma causa razoável, deseja dar a paz a alguns fiéis. Nem se execute qualquer canto para dar a paz, mas sem demora se recite o Cordeiro de Deus.” (n.72)

– Cordeiro de Deus

É um canto ritual na celebração. Deve ser constantemente cantado. A letra deve ser mantida e o canto realizado durante a fração do pão.

– Canto de Comunhão

É o canto que acompanha a comunhão dos fiéis. “Exprime, pela unidade das vozes, a união espiritual dos comungantes, demonstra a alegria dos corações e realça a índole ‘comunitária’ da procissão para receber a Eucaristia”. (IGMR 86). Não é exigido que este canto seja entoado por todo o povo.

– Ação de Graças

“Terminada a distribuição da comunhão, se for oportuno, o sacerdote e os fiéis oram por algum tempo em silêncio. Se desejar, toda assembleia pode entoar, ainda, um salmo ou outro canto de louvor ou hino.” (IGMR 88)

4.4. Ritos Finais

– Oração e Bênção Final

Como a grande parte das falas do presidente, estas partes podem ser cantadas.

– Canto final

É o canto que acompanha o regresso da equipe de celebração à sacristia e a saída do povo. Não é um canto obrigatório. Se cantado, deve expressar a alegria da missão que inicia ou relembrar ao povo o mistério que acabou de ser celebrado.

5. O USO DE PROJETORES MULTIMÍDIA

A CNBB pronunciou-se em 2010 sobre os abusos referentes ao uso dos projetores multimídia. Em suma, vale o seguinte: o projetor pode ser usado na CelebraçãoEucarística para projetar os cantos. Não figuras, não desenhos, não orações da Santa Missa. Apenas as letras dos cantos. Algumas sugestões:

a) Fundo preto com letra branca.
b) Não utilizar nenhum desenho, figura, gravura, etc.

c) Projetar apenas os cantos e orações específicas (antes da missa, dízimo, etc)

d)  NUNCA PROJETAR TEXTOS DA LITURGIA DA PALAVRA OU DA EUCOLOGIA DA MISSA.

e)  Nos momentos em que não se estiver utilizando, deixa-se o fundo preto.

6. CONCLUSÃO

O mais essencial de tudo é a compreensão da música como parte integrante da Missa. Assim, procurar cantar a missa ao invés de cantar na missa parece ser uma maneira interessante de melhorar a qualidade de nosso cantar litúrgico.

Ademais, vale recordar que o cantor não está fazendo um show, mas está sendo ministro, isto é, servidor. Se a músicanão condiz com o momento celebrado, não condiz com a comunidade, não condiz ao que a Igreja determina: ela não serve para a liturgia. Pode ser belíssima, mas para a liturgia não serve.

Que nosso cantar seja verdadeiramente litúrgico e uníssono, que seja, de fato, oração elevada musicalmente ao coração de Deus.

QUAIS CANTOS SÃO PERMITIDOS E QUAIS SÃO OMITIDOS EM CADA TEMPO LITÚRGICO

  1. Tempo do Advento: 04 Domingos

Omite-se o Glória

Canto para as Velas do Advento

  1. Natal: 24/25 de dezembro: cantam-se todos os ordinários e cantos apropriados para o Natal
  1. Tempo de Natal: cantam-se todos os ordinários e cantos próprios para o Natal e para os temas de cada Domingo.

1º Domingo: Sagrada Família

2º Domingo: Santa Mãe de Deus

3º Domingo:Epifania (Reis Magos)

4º Domingo: Batismo do Senhor

  1. Tempo Comum 1ª Parte – 5 a 9 semanas

Canta-se tudo, seguindo a liturgia

  1. Quaresma: 05 semanas iniciando na Quarta feira de Cinzas

Omite-se o Glória

Canto de aclamação ao Evangelho apropriado, não se canta o Aleluia

Cantos da Campanha da Fraternidade

  1. Semana Santa:

Domingo de Ramos: Missa da Paixão do Senhor

Cantos apropriados
Omite-se o Glória

Quinta Feira Santa: Última Ceia – Instituição da Eucaristia

Canta-se o Glória
Cantos próprios para o dia
Não tem canto final, assembleia sai em silêncio.

Sexta Feira Santa: Celebração da Paixão

Cantos próprios

Sábado Santo: Vigília Pascal 

Cantam-se todos os ordinários
Cantos próprios para o dia e de Páscoa

  1. Tempo Pascal: inicia com o Domingo de Páscoa

Domingos de Páscoa – cantam-se todos os ordinários e cantos de Páscoa

Ascenção do Senhor – cantam-se todos os ordinários e cantos de Páscoa

Pentecostes – cantam-se todos os ordinários e cantos do Espírito Santo

  1. Tempo Comum: cantam-se todos os ordinários e se possível cantos combinando com a liturgia da semana

1º Domingo após Pentecostes: Santíssima Trindade

Último Domingo: Cristo Rei

Algumas observações e sugestões da Ir. Miria Kolling:

  1. É preciso dar a Deus o melhor e mais digno.
  2. Ninguém ama o que não conhece. Estudem, aprofundem seus conhecimentos litúrgicos musicais, para servir melhor.
  3. Preparem bem as celebrações, evitando a improvisação. Não se improvisa uma festa, muito menos a festa do Senhor.
  4. Saibam-se ministros, servidores, não donos da liturgia.

5. Tenham entusiasmo, isto é, estejam em Deus!

  1. Não desanimem diante das dificuldades, dos obstáculos, venham de onde vierem.

7. Enfim é importante que as equipes de liturgia e celebração ajudem de fato, para que a celebração litúrgica seja o verdadeiro encontro de irmãos entre si e com o Deus libertador.

 

COLABORAÇÂO:

Pe. Emmanuel P. Cardozo

BIBLIOGRAFIA
CNBB. Guia litúrgico pastoral. 2.ed. Brasília: Edições CNBB.
CNBB.
Instrução Geral do Missal Romano e Introdução ao Lecionário: Texto oficial. Brasília: Edições CNBB, 2008.
FONSECA, Joaquim.
Cantando a missa e o ofício divino. São Paulo: Paulus, 2005.
PAULUS (org.).
Documentos sobre a músicalitúrgica. São Paulo: Paulus, 2005.
CONGREGAÇÃO PARA O CULTO DIVINO E A DISCIPLINA DOS SACRAMENTOS.
Instrução Redemptionis Sacramentum. São Paulo: Paulus, 2004.